Empresas usam vídeos na internet para impulsionar negócios e fortalecer a marca

O consumo de vídeos na internet aumentou 135% nos últimos quatro anos, é o que mostra a Pesquisa Vídeo Viewers, publicada no ano passado. O número é bastante expressivo, ainda mais se comparado ao crescimento do consumo audiovisual pela televisão, que corresponde apenas a 10%. 

Esse cenário em ascensão dentro do ambiente virtual ajuda novas produtoras a surgirem. E, ao mesmo tempo, faz empresas de diferentes segmentos usarem o recurso audiovisual fortalecer suas marcas, atingindo um grande público por um custo reduzido.  

Com milhões de pessoas em busca de conteúdo, os trabalhos se multiplicam, e as companhias percebem novos nichos de atuação e diferentes possibilidades de fidelizar clientes. 

O alcance dos vídeos na internet atualmente

vídeos na internet

Hoje, é possível produzir anúncios em vídeo para circulação apenas na web. Assim como podem ser criados filmes ou séries para serem distribuídos diretamente no YouTube ou em plataformas de streaming, como a Netflix. 

Junto à facilidade de divulgação e distribuição, há, ainda, o baixo custo para a elaboração de todo esse material. 

Se for criar um vídeo institucional, foque em vídeos curtos e usando recursos simples, mas criativos e divertidos. Vídeos assim sempre são suficientes para chamar a atenção do público e transmitir uma mensagem efetiva. Saiba neste artigo quais são os mais populares.

Porém, as empresas devem estar atentas ao tipo de conteúdo veiculado. Não adianta focar apenas na venda de um produto ou serviço, pois isso soa como os tradicionais comerciais da televisão. Ou seja, um vídeo com poder de atração limitado. 

A ênfase na internet deve ser em produzir um conteúdo de valor para os usuários. Caso contrário, eles podem, simplesmente, pular o material ou apenas passar para título de um catálogo. 

Desse modo, o importante é pensar em uma obra que converse com os desejos do público. Que acrescentem uma informação nova, que mostrem algo de forma descontraída. 

O perfil do público

Para criar conteúdos relevantes é necessário conhecer o perfil do público que consome vídeo online. 

De acordo com a Pesquisa Vídeo Viewers, publicada pelo Instituto Provokers e a Box 1824, esses usuários procuram conteúdos que a televisão não oferece. Quase sempre, algo personalizado e voltado ao entretenimento. Além disso, são pessoas mais jovens e que usam o smartphone para assistir àquilo que desejam. 

Já quem opta pela televisão está na faixa dos 40 anos e compõem a classe C. Em geral, é um público com menos conhecimento tecnológico e que, ainda, encontra certa dificuldade em navegar online. 

Ainda assim, até mesmo essas pessoas já estão migrando para a internet. Afinal, a pesquisa mostra que apenas 18% dos entrevistados que mantêm a tradição de assistir à televisão prestam total atenção ao que está sendo transmitido. Os demais realizam atividades em paralelo, o que inclui ver vídeos na internet.  

A marca das produtoras

A crescente demanda por vídeo na internet ajuda empresas de diferentes segmentos a ampliarem sua presença junto ao público-alvo. Isso, pois podem veicular obras audiovisuais em plataformas livres e de grande fluxo de pessoas, como o YouTube e as mídias sociais. Deixando de depender das grandes mídias televisivas. 

Empresas grandes e tradicionais do mercado como a Dell, Coca-cola, Vivo, entre outras, já aderiram as propagandas em vídeos tanto nas mídias sociais quanto na plataforma de vídeo mais utilizada do mundo.

E não somente as grandes. Muitas Startups também estão apostando no canal do vídeo para ganharem mais visibilidade. Aplicativos também não ficam de fora, já que é comum que, antes de assistir a algum vídeo no YouTube pelo celular, ele já te apresenta previamente um aplicativo.

Isso ocorre sem que a haja a necessidade de grandes investimentos ou equipamentos ultramodernos. Na verdade, com um orçamento de baixo custo é possível criar bons materiais. Depois disso, as obras ganham força na internet, alavancando os negócios e fortalecendo a marca no mercado.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *